Call for Sessions

C:UsersJRSantosDesktopPreserving Transcultural HeritageLogo

 

DEADLINE  EXTENSION:  until 30 April 2016

 

The ARTIS – Institute of History of Art, School of Arts and Humanities of the University of Lisbon and the ICOMOS Portugal are pleased to invite all the researchers, specialists and other stakeholders to participate in the International Congress Preserving transcultural heritage: your way or my way?, which will take place in Lisbon, between 05 and 08 July 2017.

Session proposals are welcome until 30 April 2016. Please submit your session by sending the proposal to congress.artis@letras.ulisboa.pt (see the submission guidelines below). The proposals will be selected by the Scientific Committee on the basis of merit and the need to organize a well-balanced programme, according to the following criteria: relevance, innovation, scientific quality and organisation of the session. On 30 April chairs will be notified regarding acceptance of their session and will receive further instructions.

The organisation encourages multidisciplinary and international research on the safeguarding of transcultural heritage (architecture, urbanism, archaeology, landscapes and decorative arts in built heritage). Therefore, the organisation will give priority to sessions co-organised by scholars from different universities and countries, especially those belonging to cultures that created specific transcultural heritages.

 Major thematic headlines

  • Questions on authenticity between different cultures, when focusing the safeguarding of transcultural architectural heritage
    • The debate on the confrontation between image value, historicity value, technological value and other values, when focusing the safeguarding of transcultural architectural heritage (for instance: prevalence of the image in Eastern cultures versus prevalence of the material in Western cultures versus prevalence of ancestral built technologies in developing countries, and what is the prevalent value when acting in transcultural built structures)
    • Idiosyncrasies in patrimonial actions performed in architectural structures inside transcultural contexts (for instance: in Portuguese-Chinese heritage, in Indian-British heritage, in French-Maghreb heritage, etc.)
  • The evolution of the patrimonial conscience inside different cultures concerning the transcultural architectural heritage
    • Theories of restoration and conservation and its implications and applications in the safeguarding of the architectural heritage originated in the fusion of cultures
    • Architects, restorers, safeguarding policies and paradigmatic case studies of actions on the transcultural architectural heritage
  • Controversies on the relevance of conserving transcultural architectural heritage associated to dominant foreign cultures
    • Polemics about the preservation of undesirable memories from cultures considered invaders/oppressors (for instance: European colonial heritage in Asia and Africa, Ottoman heritage in Maghreb and Middle East, Muslim heritage in Iberian Peninsula, Japanese heritage in China, Nazi heritage in Central Europe, Soviet heritage in countries of Eastern Europe, etc.)
    • Safeguarding of architectural heritage belonging to ethnic and religious minorities inside countries with dominant cultures (for instance: Christian heritage in the Middle East, pré-Colombian heritage in America, aborigine heritage in Australia, Jewish heritage in Europe, etc.)
    • The ideological instrumentalization of transcultural architectural heritage as nacionalist or regional claims, and the politicized (re)construction of the Past (for instance: Portuguese colonial heritage in Africa, Roman heritage in Romania, Hellenic heritage in Asia, Hindustani heritage restored under British rule, etc.)
  • Globalization and its repercussions for the safeguarding of transcultural architectural heritage
    • The safeguarding of transcultural architectural heritage generated by international and inter-regional migratory fluxes (for instance: heritage with African origin in America and Europe, Muslim heritage in European countries, Asian heritage in American countries, Indian heritage outside India, etc.)
    • Hesitations on the preservation of recent architectural heritage (from Modernism to contemporaneity) of uncertain character: regional circumscribed, international standardized or intercultural miscegenated
    • The growing commercialization of transcultural architectural heritage and the conflict between cultural tourism as creator of synergies for its maintenance and as potential threat to its safeguarding
  • Other relevant themes

 

SUBMISSION  GUIDELINES

Download the submission template and fill it with the following data:

  • Title of the session, with 15 words maximum;
  • Description of the proposed session with 300-500 words, clearly mentioning important key issues such as the leading subject, the scientific significance of the session, the goals intended to be achieved, and a list of possible themes that could fit in the debate intended to be promoted in the proposed session.
  • Three to five keywords;
  • Personal data (name, professional affiliation, mail and email addresses, and telephone contact of both session organisers);
  • Short biography of the organisers, with no more than 300 words each.

 The session organisers are responsible for:

  • Selecting the proposed abstracts to integrate their session, according to the scientific quality and thematic relevance, in collaboration with the Scientific Committee;
  • Reviewing, in collaboration with the Scientific Committee, the papers accepted in their session, in order to assist the authors to improve their communications, and to prepare the papers to be published in the book of proceeding of the congress;
  • Informing the paper applicants about the acceptance or the (justified) rejection of their proposal;
  • Reminding the paper authors about their duties (deadlines for paper submission, maximum length of their presentation, etc.) and distributing the session abstracts among them;
  • Chairing the session, including an introduction of the session theme and aims, a short introduction of each author, the management of the time schedule, a brief reflection on the presented papers in the end, and the lead of the final debate.

Session organisers are not allowed to present papers in their own session. If there are insufficient papers in a session, it may be cancelled by the Scientific Committee after the deadline for abstract submissions. Session organisers are expected to have their own support to register, for travel and for accommodation.

For further questions, please contact the organisation.

 


 

PROLONGAMENTO  DO  PRAZO  LIMITE:  30 Abril 2016

O ARTIS – Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e o ICOMOS Portugal convidam todos os investigadores, especialistas e demais interessados a participar no Congresso Internacional Preserving Transcultural Heritage: Your Way or My Way?, que terá lugar em Lisboa entre os dias 05 e 08 de Julho de 2017.

As propostas para sessões podem ser submetidas até 30 de Abril de 2016, através do email congress.artis@letras.ulisboa.pt (ver as orientações editoriais abaixo). As propostas serão seleccionadas pela Comissão Científica com base no mérito e no equilíbrio do programa do evento, de acordo com os seguintes critérios: relevância, inovação, qualidade científica e organização das sessões. No dia 03 de Abril os coordenadores serão notificados da aceitação da sua sessão e serão informados dos procedimentos futuros.

A organização encoraja a investigação multidisciplinar e internacional acerca da salvaguarda do património transcultural (arquitectura, urbanismo, paisagem, artes decorativas integradas no património edificado). Deste modo, a organização dará prioridade a sessões co-organizadas por investigadores de diferentes universidades e países, especialmente aquelas pertencentes a culturas que criaram patrimónios transculturais específicos.

 Linhas temáticas

  • Questões de autenticidade entre culturas distintas na abordagem à salvaguarda do património arquitectónico transcultural
    • O debate sobre confronto entre valor de imagem, valor da historicidade, valor tecnológico e outros valores, no âmbito da salvaguarda do património arquitectónico transcultural (por exemplo: o predomínio da imagem em culturas orientais versus o predomínio da matéria nas culturas ocidentais versus o predomínio da tecnologia construtiva ancestral em países em vias de desenvolvimento, e qual o valor preponderante no processo de intervenção de determinadas estruturas edificadas transculturais)
    • Idiossincrasias em intervenções patrimoniais realizadas em estruturas arquitectónicas no seio de contextos transculturais (por exemplo: no património luso-chinês, no património indo-britânico, no património franco-magrebino, etc.)
  • A evolução da consciência patrimonial no seio das diversas culturas relativamente ao património arquitectónico transcultural
    • As teorias do restauro e da conservação e as suas implicações e aplicações na salvaguarda do património arquitectónico originado na fusão de culturas
    • Arquitectos, restauradores, políticas de salvaguarda e casos de estudo paradigmáticos de intervenções em património arquitectónico transcultural
  • Controvérsias sobre a pertinência da conservação do património arquitectónico transcultural associado a culturas estrangeiras dominantes
    • A polémica relativamente à preservação de memórias indesejáveis de eventuais culturas consideradas invasoras/opressoras (por exemplo: o património colonial europeu na Ásia e em África, o património otomano no Magreb e Médio Oriente, o património muçulmano na Península Ibérica, o património japonês na China, o património nazi na Europa Central, o património soviético nos países do leste da Europa, etc.)
    • A salvaguarda do património arquitectónico pertencente a minorias étnicas e religiosas inseridas em países com culturas dominantes (por exemplo: os patrimónios cristãos no Médio Oriente, os patrimónios pré-colombianos na América, o património aborígene na Austrália, o património judaico na Europa, etc.)
    • A instrumentalização ideológica do património arquitectónico transcultural como afirmações nacionalistas ou regionais, e a (re)construção politizada do Passado (por exemplo: o património colonial português em África, o património romano na Roménia, o património helénico na Ásia, o património hindustani intervencionado sob domínio britânico, etc.)
  • Globalização e respectivas repercussões para a salvaguarda do património arquitectónico transcultural
    • A salvaguarda do património arquitectónico transcultural gerado pelos fluxos migratórios internacionais e inter-regionais (por exemplo: o património de origem africana na América e Europa, o património muçulmano em países europeus, o património asiático nos países americanos, o património indiano fora da Índia, etc.)
    • Hesitações sobre a preservação de um património arquitectónico recente (do modernismo à contemporaneidade) de índole incerta: regional circunscrito, internacional uniformizado ou intercultural miscigenado
    • A crescente mercantilização do património arquitectónico transcultural e o conflito entre turismo cultural enquanto criador de sinergias para a sua manutenção e enquanto potencial ameaça à sua salvaguarda
  • Outras temáticas pertinentes


NORMAS PARA SUBMISSÃO

Descarregar o ficheiro de submissão e preenchê-lo com os seguintes dados:

  • Título da sessão, com 15 palavras no máximo;
  • Descrição da sessão proposta usando entre 300 e 500 palavras, mencionando claramente as principais questões, tais como o assunto principal, a relevância científica da sessão, os objectivos que se pretendem alcançar, e uma lista de possíveis temas que possam enquadrar-se no debate a ser promovido pela sessão proposta.
  • Três a cinco palavras-chave;
  • Dados pessoais (nome, afiliação profissional, endereços de correio e email, contacto telefónico dos organizadores da sessão);
  • Breve biografia dos organizadores, até 300 palavras cada.

Os organizadores da sessão são responsáveis por:

  • Seleccionar os resumos propostos a integrar a sua sessão, de acordo com a qualidade científica e relevância temática, em colaboração com a Comissão Científica;
  • Rever os trabalhos aceites na sua sessão, em colaboração com a Comissão Científica, a fim de ajudar os autores a melhorar as suas comunicações e a preparar os artigos a serem publicados no livro de actas do congresso;
  • Informar os candidatos sobre a aceitação ou a recusa (justificada) das suas propostas de comunicação;
  • Lembrar os autores de comunicações sobre os seus direitos (prazos para a apresentação de artigos, extensão máxima da sua apresentação, etc.) e distribuir os resumos das mesmas entre si;
  • Presidir a sessão, apresentar o tema e os seus objectivos, fazer uma breve introdução de cada autor, gerir o horário da sessão, fazer uma breve reflexão final acerca dos trabalhos apresentados, moderar o debate final.

Os organizadores das sessões não estão autorizados a apresentar trabalhos na sua própria sessão. Se não existirem comunicações suficientes, a sessão poderá ser cancelada pela Comissão Científica, findo o prazo para submissão de resumos. Espera-se que os organizadores das sessões assumam as despesas da sua inscrição, viagem e alojamento.

Para mais questões, por favor contacte a organização.